Mulheres no grafite

O poder das mulheres na arte contra a opressão

reg. 075-17  Jü Violeta e MAG finalizam pintura, a convite da OFoto: Marcos Santos/USP imagens

Grafite e feminismo. A união de dois movimentos contra a opressão; o primeiro, uma arte, o segundo, uma luta. Tal ponto de vista ganha pouco destaque, mas usufrui de representantes em volume. Contra a discriminação de gênero e o machismo, o trabalho de grafiteiras se espalha cada vez mais por muros de São Paulo.

O graffiti, ou grafite, é uma manifestação artística urbana que teve início na década de 1970 Nova York, nos Estados Unidos. Jovens espalhavam pela cidade desenhos carregados de crítica à opressão da sociedade. Mesmo que ainda pouco, a presença feminina confere ao movimento um reforço do que essa arte representa. Já no Brasil, tal manifestação foi desde o começo bastante marginalizada, não tendo ao certo um registro do ano em que chegou ao país. Apesar disso, dia 27 de março é considerado o Dia do Grafite no Brasil, em homenagem ao etíope Alex Vallauri, que fez da arte sua voz em tempos de ditadura, para lutar contra a opressão da liberdade de expressão na época.

Em um meio em que os nomes como Cobra, Banksy e Os Gêmeos estão entre os mais falados, as brasileiras Mag Magrela e Ju Violeta mostram um cenário de renovação nessa arte: o crescimento do número de mulheres no mundo do grafite. As duas grafiteiras são bons exemplos de mulheres que não se deixaram intimidar pela presença masculina. “Eu nunca vi gênero nas coisas, nunca deixei de fazer algo por ser ‘de menino’”, afirma a paulistana Magrela, que começou a grafitar em 2007, momento em que “as ruas passaram a servir de base para os desenhos acumulados em cadernos”, conforme descreve em seu blog Mag Crua.

A força, os anseios e a representatividade feminina que ambas expressam muros afora, mostram porque a arte urbana feita por mulheres é importante para a sociedade, além de identificarmos um pouco de cada mulher e suas batalhas diárias, em busca pela libertação do corpo e da mente.  “Com certeza tudo que eu sou influência na minha arte… A parte feminina está presente no que me inspira, no meu traço e pintura”, comenta Violeta, que começou a grafitar nas ruas em 2004.

Já a inspiração vem de todos os lados, Magrela exemplifica “A inspiração se da a todo momento. O artista esta sempre presente para captar as inspirações e sinais que aparecem no dia a dia”. Magrela comenta ainda que, grande parte de seu reportório artístico tem influência das dores e da luta de seu gênero. “São os hormônios, a sensibilidade, a conexão com a terra e natureza”, explica. Violeta vai além e mostra que exatamente qualquer coisa que considera bela em seu dia a dia pode servir para inspirar “(…) ou em outros momentos de tudo que quero transformar! Sempre tive uma ligação forte com a natureza, com o meio ambiente, com os animais e neles é que vem a inspiração para a vida e consequentemente para a arte”.

Mundo afora, Magrela mostra que sua arte vai além de São Paulo, com trabalhos em Belo Horizonte, Rio de Janeiro e até Portugal, Londres e  Nova York. Juntas, ela e Violeta fizeram no começo do ano, um grafite no Espaço das Artes, durante a programação da Semana de Artes HeforShe, evento global organizado pela ONU Mulheres, que buscava promover a igualdade de gênero e o empoderamento feminino.

*Matéria originalmente produzida para a disciplina de Redação e Edição da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Texto de: Fernanda Antônia e Victória Theonila.

Anúncios